Sistema social

(Fig. 1) Grupo social de muriquis-do-norte na RPPN Feliciano Miguel Abdala, Caratinga (MG) | Foto: Fernanda P. Tabacow (PAN Muriqui)

Organização social

Os muriquis vivem em grupos sociais multi-machos e multi-fêmeas, que podem ser coesos ou apresentar fissão-fusão (fig. 1) [1]. Os machos tendem a interagir socialmente principalmente com outros machos, enquanto as fêmeas são menos sociáveis dentro do grupo [2]. Não há dominância aparente entre machos de um mesmo grupo social, que formam coalizões e convivem harmoniosamente enquanto fêmeas dispersam [3].

Tamanho e composição do grupo

O tamanho dos grupos sociais de Brachyteles hypoxanthus varia de poucos indivíduos [4] a mais de 50 indivíduos [5]. Em floresta contínua, os grupos de Brachyteles arachnoides podem contar com até 45 animais [6]. A razão sexual também apresenta variações entre populações, mas se aproxima de 1/1.

(Fig. 2) Fêmea encontrada em 2017 em Esmeraldas de Ferros (MG), onde estava isolada, e levada para a Mata do Luna, no mesmo estado, onde havia pequeno grupo de machos | Foto de autor não-identificado, colhida neste website.

Sexo dispersante e idade de dispersão

Os machos são filopátricos [mantêm-se fieis ao grupo e ao espaço original] e as fêmeas tipicamente dispersam de seu grupo natal [7].

As fêmeas dispersam (fig. 2) de seu grupo natal quando atingem, em média, seis anos de idade [8], antes de atingirem a puberdade [9].

Notas

[1] Milton, 1987 | [2] Strier et al., 2001a | [3] Strier, 1996a, 1996b; Printes & Strier, 1999) | [4] Mendes et al., 2005b | [5] Strier, 1996c; Strier et al., 2002 | [6] Coles, 2009 | [7] Printes & Strier 1999 | [8] Printes & Strier, 1999 | [9] Strier & Ziegler, 2000.

[Reproduzido do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Muriquis, conhecido como PAN Muriqui, publicação do ICMBio de 2011. O PAN Muriqui pode ser acessado clicando-se aqui.]