Taxonomia

(Fig 1) Muriqui-do-sul | Foto: Sinara Conessa (Wikimedia Commons)

Os muriquis pertencem ao gênero Brachyteles, que compreende duas espécies: Brachyteles arachnoides, o muriqui-do-sul (fig. 1) ; e Brachyteles hypoxanthus, o muriqui-do-norte (fig. 2) [1]. O gênero Brachyteles se agrupa na família Atelidae com outros quatro gêneros: Alouatta, Ateles, Lagothrix e Oreonax. [2] Os primatas desta família se alimentam principalmente de frutos e folhas e são os de maior porte e únicos com cauda preensil dentre os primatas neotropicais. [3]

(Fig 2) Muriqui-do-norte | Foto: Peter Schoen (Wikimedia Commons)

Classificação taxonômica e nomenclatura científica

Filo: Chordata. Classe: Mammalia. Ordem: Primates. Infra-Ordem: Platyrrhini. Família: Atelidae (Gray, 1825). Subfamília: Atelinae (Gray, 1825). Gênero: Brachyteles (Spix, 1823). Espécies: Brachyteles arachnoides (E. Geoffroy, 1806) Brachyteles hypoxanthus (Kuhl, 1820).

Incertezas e disputas taxonômicas

Até recentemente, o gênero Brachyteles era considerado monoespecífico, ou seja, com apenas uma espécie (Brachyteles arachnoides), com duas subespécies (Brachyteles arachnoides arachnoides e Brachyteles arachnoides hypoxanthus), segundo alguns autores. Em função disso, a maioria das publicações científicas anteriores a 2000 se referem tanto ao muriqui-do-norte quanto ao muriqui-do-sul como Brachyteles arachnoides.

Atualmente, são reconhecidas duas espécies plenas de muriquis: o muriqui-do-sul, Brachyteles arachnoides [4]; e o muriqui-do-norte, Brachyteles hypoxanthus [5]. Estas duas espécies podem ser diferenciadas pela presença de um polegar vestigial e despigmentação incompleta nas regiões da face e períneo para B. hypoxanthus, enquanto que B. arachnoides não possui polegar e não apresenta tal despigmentação [6].

Notas

[1] Rylands et al., 1997 | [2] (Rylands et al., 1995, 2000; Schneider, 2000) | [3] Strier 1992a; Rosenberger & Strier 1989 | [4] É. Geoffroy, 1806 | [5] Kuhl, 1820 | [6] Vieira, 1944; Aguirre, 1971; Lemos de Sá et al., 1990; Strier 1992a; Lemos de Sá & Glander, 1993; Rylands et al., 1995, 1997, 2000.

[Reproduzido do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Muriquis, conhecido como PAN Muriqui, publicação do ICMBio de 2011. O PAN Muriqui pode ser acessado clicando-se aqui.]